Como salvar a natureza e a humanidade sem sacrificar

Salvar a natureza sem sacrificar a vida moderna é o desafio preeminente de nosso tempo. É um problema complicado que deve ser atacado simultaneamente de vários ângulos. Deixar de agir em um ângulo invalidará os esforços em outros ângulos.

Este problema deve ser tratado em duas fases distintas. Primeiro, devemos parar de viver de uma maneira que prejudique ativamente a nós mesmos e ao mundo natural, devemos buscar empresas sustentáveis como essa desentupidora em São Paulo. Então, devemos aprender como criar um mundo onde a natureza e a humanidade prosperem. Este artigo de duas partes explorará como podemos reorganizar nossa civilização para ser compatível com essa visão.

Parte II: Integração e Prosperidade

Na Parte I, discutimos como parar de prejudicar o mundo natural, mas como seria para a humanidade e a natureza prosperarem juntas? Esta é uma pergunta cuja resposta requer uma reestruturação radical de como, onde e “quando” vivemos.

Reintegrando a Humanidade na Paisagem:

A reintegração da humanidade em sistemas naturais e paisagens exigirá abordagens diferentes com base na densidade populacional e localidade. A reintegração das regiões rurais seria centrada no reflorestamento e na conservação. A reintegração de terras degradadas ou regiões esparsas a moderadamente povoadas pode se concentrar em práticas cuidadosas e intencionais de manejo da terra e extração de recursos para benefício humano. A reintegração de regiões densamente povoadas exigiria planejamento urbano intencional e abordagens inovadoras para o projeto urbano.

Terras Rurais:

Rewilding é uma estratégia de conservação em grande escala que restaura e protege áreas selvagens centrais, fornece conectividade entre essas áreas e protege ou reintroduz predadores de ápice e outras espécies-chave, em áreas urbanas uma desentupidora de esgoto experiente é uma forma de ajudar o meio ambiente. O objetivo final dos esforços de reflorestamento é restaurar os ecossistemas a um ponto em que sejam manejados passivamente com níveis de biodiversidade quase pré-humanos.

Um exemplo disso é a reintrodução de lobos no Parque Nacional de Yellowstone, onde após 70 anos de extirpação, eles foram reintroduzidos no parque. A reintrodução de lobos ajudou a estabilizar o ecossistema ao encerrar os ciclos de expansão e retração que atormentavam a população de alces por décadas. Os lobos também contribuíram para que os rebanhos de alces se tornassem mais resistentes a padrões climáticos variáveis, devido ao padrão específico de predação dos lobos.

Como outro exemplo de rewilding que contribui para a resiliência do ecossistema, o rewilding pode resultar em ciclos de feedback que reforçam a integridade do ecossistema. Um exemplo disso poderia ser a restauração de recifes de ostras. O aumento dos níveis de dióxido de carbono atmosférico levou à redução do pH oceânico, conhecido como acidificação dos oceanos. Isso tem efeitos corrosivos em organismos calcários, como ostras.

No entanto, se ostras forem criadas em quantidades suficientes, elas podem servir como um tampão de pH local, estabilizando o pH local e diminuindo os efeitos da acidificação do oceano. Isso leva ao encorajamento de mais crescimento de ostras, o que estabiliza ainda mais o pH local. Como efeito colateral positivo, grandes quantidades de carbono podem ser sequestradas nas conchas de recifes de ostras restaurados.

O rebobinamento tem um potencial enorme para sequestrar grandes quantidades de carbono nos solos e sistemas vivos, potencialmente compensando os piores impactos das mudanças climáticas. Apesar da necessidade crescente de sequestrarmos carbono atmosférico e sua inclusão nas projeções climáticas, a única maneira que sabemos como sequestrar carbono em escala é em sistemas vivos.

Além disso, à medida que as perdas globais de biodiversidade aumentam, fica cada vez mais aparente que nossas terras e águas protegidas não são de forma alguma suficientes para interromper os níveis catastróficos de extinção de espécies. Em vez disso, agora é a hora de uma ação ousada e decisiva que acabará com os temores de extinção em massa.

Reduzir a pegada da agricultura, eliminar a pecuária e transferir a pegada restante da agricultura para as regiões urbanas liberaria uma enorme quantidade de terra. Deve-se primeiro considerar, porém, que grande parte desta terra foi fortemente degradada por décadas de agricultura intensiva e pastagem de gado.

Para maximizar a eficácia dos recursos disponíveis, um inventário deve ser feito para determinar as melhores regiões candidatas à reabilitação. Este inventário pode examinar o potencial de sequestro de carbono, conservação da biodiversidade e restauração.

Restaurar essas terras degradadas seria um desafio, mas também poderia ser o projeto mais gratificante que a humanidade empreenderá no século 21. Em meio a preocupações com a automação do deslocamento de trabalhadores, a restauração de centenas de milhões de acres de terras selvagens em todo o mundo exigiria uma força de trabalho como nenhuma outra.

E, ao contrário de muitos empregos como nessa desentupidora SP, hoje, o trabalho para restaurar a natureza em uma escala sem precedentes pode muito bem imbuir um forte e profundo senso de propósito. A restauração das terras selvagens do mundo também exigiria a colaboração entre as nações em uma escala nunca vista antes, reunindo a comunidade global de uma maneira nova e profunda.

Talvez a colaboração mais importante neste empreendimento ocorresse entre cientistas e povos indígenas. Muitos povos indígenas possuem um profundo conhecimento das práticas de manejo sustentável da terra localizadas nas regiões que ocuparam. Essas práticas de gestão da terra foram interrompidas quando os colonos europeus roubaram suas terras.

Juntamente com a ciência moderna, poderíamos restabelecer algumas dessas práticas de gestão de terras e chegar a um melhor entendimento de como maximizar os serviços ecossistêmicos para sequestro de carbono, conservação da biodiversidade e resiliência climática.

Levando essa colaboração um passo adiante, os Estados Unidos poderiam honrar os tratados anteriores com os povos das Primeiras Nações na medida do possível. Os povos das Primeiras Nações geralmente provaram ser muito melhores administradores da terra do que seus homólogos europeus. De uma perspectiva cultural, é tão importante curar e restaurar nossa paisagem humana quanto a paisagem natural. Em um mundo cada vez mais volátil, é nossa determinação coletiva que nos dará a melhor chance de navegar nos tempos turbulentos que estão por vir.

Regiões degradadas e moderadamente povoadas:

Os humanos sempre exigirão um fluxo constante de recursos para que a civilização funcione. Isso não mudará, mesmo sob uma economia circular em que todos os fluxos de resíduos foram eliminados e todos os materiais possíveis são reciclados de volta às cadeias de produção. Em vez disso, para minimizar os danos, devemos praticar o gerenciamento cuidadoso e intencional da terra e a extração de recursos. Terras degradadas e de população esparsa a moderada seriam as mais adequadas para tais fins.

Terras degradadas que seriam difíceis de restaurar poderiam ser consideradas as principais candidatas a locais de extração de recursos, concentrando o impacto ambiental da indústria pesada, como a mineração. As práticas modernas de mineração podem reduzir ainda mais o impacto ambiental por meio de práticas como o reprocessamento de rejeitos para extrair minerais adicionais, desidratação de rejeitos e reutilização da água e rejeitos de empilhamento a seco para melhorar a estabilidade de armazenamento a longo prazo.

Elementos de terras raras são essenciais para muitas fontes de energia renovável e eletrônica. A mineração é geralmente considerada prejudicial porque seus rejeitos contêm altas concentrações de elementos radioativos, como tório e urânio. Podemos mitigar esse risco processando seus rejeitos em combustível nuclear para reatores modernos. Esses reatores produzem resíduos mínimos e têm riscos associados muito mais baixos. Isso forneceria uma nova fonte de energia com baixo teor de carbono e, ao mesmo tempo, reduziria os resíduos perigosos associados à fabricação de produtos eletrônicos e renováveis.

Enquanto a produção de alimentos calóricos a granel seria transferida para os centros urbanos, as áreas circundantes poderiam hospedar florestas de alimentos e paisagens de permacultura comestíveis. Isso poderia fornecer alimentos apropriados local e sazonalmente para o que pode ser cultivado em fazendas verticais urbanas. A permacultura, as florestas alimentares e o paisagismo comestível seriam mais adequados para áreas de densidade populacional moderada, transformando os centros populacionais vizinhos em jardins e parques exuberantes.

A silvicultura e a silvicultura são outros exemplos de requisitos de gestão intencional da terra para a vida moderna. As práticas florestais modernas podem equilibrar uma variedade de necessidades, incluindo conservação e habitat da vida selvagem, madeira e recreação. A silvicultura pode ser praticada em florestas secundárias causadas pelo homem e em paisagens degradadas de forma semelhante. Os grupos remanescentes de florestas antigas têm alto valor de conservação e, portanto, não devem ser vistos como um recurso potencial para a silvicultura.

Talvez a colaboração mais importante neste empreendimento ocorresse entre cientistas e povos indígenas. Muitos povos indígenas possuem um profundo conhecimento das práticas de manejo sustentável da terra localizadas nas regiões que ocuparam. Essas práticas de gestão da terra foram interrompidas quando os colonos europeus roubaram suas terras.

Juntamente com a ciência moderna, poderíamos restabelecer algumas dessas práticas de gestão de terras e chegar a um melhor entendimento de como maximizar os serviços ecossistêmicos para sequestro de carbono, conservação da biodiversidade e resiliência climática.
Levando essa colaboração um passo adiante, os Estados Unidos poderiam honra

r os tratados anteriores com os povos das Primeiras Nações na medida do possível. Os povos das Primeiras Nações geralmente provaram ser muito melhores administradores da terra do que seus homólogos europeus. De uma perspectiva cultural, é tão importante curar e restaurar nossa paisagem humana quanto a paisagem natural. Em um mundo cada vez mais volátil, é nossa determinação coletiva que nos dará a melhor chance de navegar nos tempos turbulentos que estão por vir.

Regiões degradadas e moderadamente povoadas:

Os humanos sempre exigirão um fluxo constante de recursos para que a civilização funcione. Isso não mudará, mesmo sob uma economia circular em que todos os fluxos de resíduos foram eliminados e todos os materiais possíveis são reciclados de volta às cadeias de produção. Em vez disso, para minimizar os danos, devemos praticar o gerenciamento cuidadoso e intencional da terra e a extração de recursos. Terras degradadas e de população esparsa a moderada seriam as mais adequadas para tais fins.

Terras degradadas que seriam difíceis de restaurar poderiam ser consideradas as principais candidatas a locais de extração de recursos, concentrando o impacto ambiental da indústria pesada, como a mineração. As práticas modernas de mineração podem reduzir ainda mais o impacto ambiental por meio de práticas como o reprocessamento de rejeitos para extrair minerais adicionais, desidratação de rejeitos e reutilização da água e rejeitos de empilhamento a seco para melhorar a estabilidade de armazenamento a longo prazo.

Elementos de terras raras são essenciais para muitas fontes de energia renovável e eletrônica. A mineração é geralmente considerada prejudicial porque seus rejeitos contêm altas concentrações de elementos radioativos, como tório e urânio. Podemos mitigar esse risco processando seus rejeitos em combustível nuclear para reatores modernos. Esses reatores produzem resíduos mínimos e têm riscos associados muito mais baixos. Isso forneceria uma nova fonte de energia com baixo teor de carbono e, ao mesmo tempo, reduziria os resíduos perigosos associados à fabricação de produtos eletrônicos e renováveis.

Enquanto a produção de alimentos calóricos a granel seria transferida para os centros urbanos, as áreas circundantes poderiam hospedar florestas de alimentos e paisagens de permacultura comestíveis. Isso poderia fornecer alimentos apropriados local e sazonalmente para o que pode ser cultivado em fazendas verticais urbanas. A permacultura, as florestas alimentares e o paisagismo comestível seriam mais adequados para áreas de densidade populacional moderada, transformando os centros populacionais vizinhos em jardins e parques exuberantes.

A silvicultura e a silvicultura são outros exemplos de requisitos de gestão intencional da terra para a vida moderna. As práticas florestais modernas podem equilibrar uma variedade de necessidades, incluindo conservação e habitat da vida selvagem, madeira e recreação. A silvicultura pode ser praticada em florestas secundárias causadas pelo homem e em paisagens degradadas de forma semelhante. Os grupos remanescentes de florestas antigas têm alto valor de conservação e, portanto, não devem ser vistos como um recurso potencial para a silvicultura.


Psicólogo Amapá
Psicólogos Belo Horizonte
Empresas
Pousadas